Dengue, mototáxi e violência contra a mulher foram alguns dos assuntos tratados em requerimentos

109
Sessão ordinária do dia 10 de junho de 2019

Oito requerimentos foram aprovados na 18ª sessão ordinária e serão enviados à Prefeitura. Ricardo de Mattos (PMN) questionou o Poder Executivo sobre as ações de fiscalização a ciclistas que circulam com bicicletas em cima das calçadas e pediu cópias de notificações aplicadas ou advertências. O vereador ainda apresentou outro documento, solicitando informações do Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes Aegypti (LIRA) e verbas recebidas pelo município para o combate ao mosquito. Um adendo de Orlando da Silva Gomes (PRB) indagou se o recurso teria sido utilizado para a compra de um veículo destinado ao transporte dos agentes.

Helson de Jesus Salgado (CIDADANIA) questionou se locais administrados pelo Poder Executivo – como escolas municipais, creches, piscinas públicas, quadras poliesportivas e o albergue – contam com Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.

Paulo Gilson Chopinho de Castro Ribeiro (PSC) requisitou ao Poder Executivo municipal o envio à Casa Legislativa de toda a documentação referente à renovação da concessão da Rodoviária. Outro requerimento feito pelo mesmo vereador indagou sob qual regulamentação o serviço de supressão e substituição das árvores de São Lourenço opera. Um adendo de Ricardo de Mattos pediu o cronograma de poda.

Renato Motta de Carvalho (AVANTE) questionou se o município tem algum espaço ou instituição para acolher mulheres vítimas de violência e se há algum protocolo a ser seguido nos casos em que elas “não têm para onde ir, porque dependem, financeiramente, do cônjuge agressor”.

Natanael Paulino de Oliveira (CIDADANIA) solicitou dados relativos ao parcelamento do FGTS e a emissão do extrato, mostrando o saldo consolidado em 31 de dezembro de 2016. O vereador também questionou se o recolhimento está em dia.

Já Waldinei Alves Ferreira (PV) requisitou informações sobre o serviço de mototáxi em São Lourenço, como o número atual de veículos e motociclistas licenciados. Ainda questionou, entre outros pontos, se há a utilização de crachás de identificação e se as certidões criminais negativas forma expedidas. Um adendo de Ricardo de Mattos questionou se os profissionais estão em dia com o pagamento dos tributos.