Juiz Fábio Garcia Macedo Filho recebe Título de Cidadão Honorário de São Lourenço

229

A Câmara Municipal de São Lourenço concedeu o Título de Cidadão Honorário a Fábio Garcia Macedo Filho, Juiz de Direito das Varas Criminal e de Execução Penal e de Infância e Juventude. O evento foi realizado nesta sexta-feira (14.09) na sede da Casa Legislativa. “É a maior homenagem que se pode dar a uma pessoa. É realmente muito grande a emoção deste momento. Obrigado por terem me proporcionado tamanha alegria”, declarou o homenageado.

O título foi autorizado por meio do Decreto 275/2018, de autoria de Waldinei Alves Ferreira (PV).  “O senhor já merecia isso há muito tempo. Tenho certeza que fará muito ainda por São Lourenço”, disse o vereador ao juiz em seu discurso oficial. O presidente da Câmara Municipal, Ricardo de Mattos, lembrou que a homenagem foi aprovada por unanimidade em sessão ordinária da Casa Legislativa.

Sobre o homenageado

Fábio nasceu no dia 27 de julho de 1954 em Barretos, estado de São Paulo. Na adolescência se mudou, juntamente com seus pais e irmão, para Campinas.  Anos depois o homenageado ingressou no curso de Direito na Universidade de São Francisco, localizada em Bragança Paulista. No início de sua carreira, foi professor em instituições de ensino superior e também advogou.

Em 1992, deu mais um passo em sua carreira e foi aprovado em concurso público para exercer o cargo de Juiz de Direito em Jacuí, Minas Gerais. Dois anos depois, foi transferido para Extrema, onde permaneceu por dez anos.  Depois desse período, foi promovido para a Comarca de São Lourenço, onde deixou sua marca. Preocupado com a reinserção social de condenados, contribuiu com a humanização da pena. Incentivou a  construção de uma escola dentro do presídio do município, levando à alfabetização de dezenas de reeducandos. Também apoiou a implementação do Coral Vozes da Cela e a prática de esportes e trabalho artesanal entre os privados de liberdade.

Durante o evento, Fábio ainda foi lembrado por lutar para que a então Superintendência de Administração Prisional, pertencente, à época, à Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais, assumisse a cadeia pública de São Lourenço, transformando-a em unidade prisional. “As rebeliões eram recorrentes, uma situação muito complicada”, descreveu o delegado regional de Polícia Civil, Luciano Belfort Andrade dos Santos.

Atualmente Fábio é casado com Jéssica Maria Vieira Garcia Macedo, a quem agradeceu pelo companheirismo. Ela fez um discurso em homenagem a ele.  O juiz tem dois filhos: Natália e Gabriel, o qual fez questão de dizer que o pai foi “sempre atencioso e amigo”. A prefeita de São Lourenço, Célia Shiguematsu Cavalcanti Freitas Lima, também se pronunciou. “O título é merecido por toda sua história de vida e colaboração com nossa cidade. Lembro-me muito bem o quanto o senhor se empenhou na construção da escola do presídio. O trabalho de ressocialização é extremamente importante e gratificante”, destacou a chefe do Executivo.

A sessão solene ainda contou com a apresentação musical do Coral Vozes da Cela, formado por detentos do Presídio de São Lourenço e regido pelo diretor de Atendimento e Ressocialização da unidade, José Henrique Martins. A soprano Patrícia Vilches, que coleciona participações em orquestras por todo o mundo, juntou-se a eles.

Também estiveram presentes na sessão solene a juíza de direito Cecília Natsuko M. Goya, o segundo tenente comandante do Terceiro Pelotão do Corpo de Bombeiros, Cláudio Pereira Domingos, Leonardo Sanches, vice-prefeito de São Lourenço, e José Sacido Barcia Neto, ex-prefeito.