Vereadores debatem sobre saúde e infraestrutura da cidade

50

A Câmara Municipal de São Lourenço aprovou nesta segunda-feira (24.05) seis requerimentos sobre diversos assuntos. Daniela Bacha (AVANTE) questionou o Poder Executivo sobre a quantidade de funcionários e seus respectivos cargos na Farmácia Popular do SUS, assim como dados relacionados à armazenagem de medicamentos, controle da data de validade, classificação e entrega dos produtos à população. Em um segundo documento, a vereadora ainda pediu dados sobre a viabilidade para a execução de reforma e manutenção preventiva do córrego situado na Rua Águas de Contendas, n.01, no bairro Vila Carneiro.

Gustavo Luiz Ribeiro (AVANTE) perguntou se a Administração Municipal tem intenção de encaminhar à Câmara um “projeto de lei complementar que recupere as perdas das correções do ano de 2020, indexando o IGPM para o exercício de 2022”. Segundo o vereador, um parecer do Tribunal Contas do Estado de Minas Gerais declarou que “não há no nosso município uma lei que prevê índice de reajuste salarial”. Em outro requerimento, o vereador questionou se a Prefeitura fornece absorventes e se, em caso negativo, existe algum projeto para a distribuição do produto para adolescentes e mulheres adultas que passam pela chamada “pobreza menstrual”, quando há “falta de acesso a itens básicos para a higiene feminina”.

Já Rodrigo Martins de Carvalho (PSDB) solicitou informações sobre a previsão de retorno das cirurgias eletivas em São Lourenço. Ele também questionou se existe um protocolo do hospital para a tomada da decisão e quais são os critérios utilizados. O vereador Waldinei Alves Ferreira (PSC) pediu dados sobre todos os processos licitatórios ou pregões referentes à lavagem dos veículos da autarquia SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), “constando a 1ª e a 2ª empresas colocadas”.